LEO PILÓ

Artista autodidata. Vive e trabalha em Belo Horizonte. Inquieto, criativo, simples, dinâmico e humano. Desenvolve trabalhos inusitados feitos de materiais não convencionais, educando olhares para novas possibilidades de construção – que revise atitudes e métodos de redução, reciclagem e reutilização – e, de meios de sustentabilidade. Sempre compartilhando as técnicas desenvolvidas através do aprendizado, das produções e da vivência, o artista procura criar um elo entre arte e natureza, promovendo metodologia de reutilização de resíduos urbanos, gerando novas possibilidades inseridas na realidade atual em termos de cultura, arte educação, recursos econômicos e outros benefícios. Dentre as diversas exposições que realizou, um dos grandes destaques foi a exposição LIXOARTE, que tinha como objetivo criar, com materiais recicláveis, móveis e objetos para mobiliar uma casa. A mostra foi apresentada no Palácio das Artes no ano 2000. Para ele, reciclar é propor uma nova consciência sobre o desperdício e uma reeducação das necessidades das pessoas.

Na FLAC apresenta uma coleta seletiva de aparas e achados, hora garimpados, hora doados. Existem relevâncias e referências entre os achados e os perdidos, as coisas e as peças em si. Começa aí uma série de seleções de personagens tendo como suporte caixas e gavetas que suportam a cena final.

Exposições recentes: 2016 – Eco Ações Unidas – Produtos, Oficinas e Atelier. 2016 – Carnavalesco Escola de Samba Grêmio Recreativo Cidade Jardim – Belo Horizonte. 2015 – Exposição Caixas Recicladas São Jorge da Silva – Café Kahlua – Belo Horizonte. 2015 – Presépio Casa Fiat – Belo Horizonte. 2015 – Carnavalesco Escola de Samba, Grêmio Recreativo Cidade Jardim – Belo Horizonte. 2014 – Exposição Leo Piló para a Casa de Olinda – Olinda/PE. 2014 – Instalação Reciclada para Boa Noite Memorial Vale – Belo Horizonte.