DANIEL JACK

Artista Visual formado em Design Gráfico pelo Centro Universitário de Belo Horizonte/UniBH. Vive e trabalha em Belo Horizonte, MG. O trabalho de Daniel Jack mostra elementos da história e da sociedade para documentar a vida urbana, reorientando-se sobre os detalhes sutis que a nossa capacidade de atenção contemporânea às vezes não consegue apreciar. Seus assuntos, provocadores e envolventes, inspiram a experiência visual, convidando e instigando os espectadores. O próprio artista descreve seu trabalho em cinco palavras: pintura documentária urbana pós-moderna. O processo de reprodução manual de imagens de meios de comunicação social, faz eco da história da pintura como uma forma de documentação. O uso de perfis de pessoas do cotidiano recorda a tradição da pintura figurativa na arte, criando assim retratos em camadas vibrantes visualmente estimulantes.

Na FLAC Daniel Jack apresenta telas produzidas com técnica mista envolvendo pintura e colagem. A respeito das obras que serão apresentadas o artista escreveu “Sempre fui grande admirador do trabalho dos “cartazistas” franceses como Jacques Villeglé, François Dufrene, Raymond Hains e o italiano Mimmo Rotella, artistas que fizeram colagens usando cartazes rasgados.  Para mim, essas colagens em camadas encapsulam perfeitamente toda a ideia da “memória de papel”, da arqueologia gráfica. Esses fragmentos rasgados oferecem um retrato quase psicopatológico do design gráfico – como se os artistas estivessem cavando diferentes camadas de consciência. Além disso, essas camadas de cartazes também se referem a outra ideia em que me interesso: a ideia do material impresso como um ambiente real, como parte integrante da cidade. Em outras palavras, sempre quis explorar essa noção da vivencia em espaços urbanos. Tento recriar essas colagens nas minhas pinturas, uso fragmentos de linguagens gráficas achadas na rua e outras que me influenciaram ao longo da vida. Justapondo linguagens gráficas diferentes – muitas vezes conflitantes –, espero chegar a uma espécie de retrato psicológico de nossas próprias sensibilidades gráficas.”

Exposições recentes: 2017 – Participação no Festival CURA – Circuito Urbano de Arte como assistente de produção do coletivo Acidum Project – (800m²), BH, MG. Exposição coletiva – Olhar e sentir, Viaduto das Artes, Belo Horizonte, MG; Exposição individual – Formas Concretas, COREN/MG, Belo Horizonte, MG; 2016 – Pintura do mural no Shopping Oiapoque, como assistente de produção do artista Ramon Martins, Projeto Raverso (826m²), Shopping Oiapoque, Belo Horizonte, MG; 2015 – Produção de mural em conjunto com a artista Criola, Loja da Nike, São Paulo, SP.